ESTRELA DAS ÁGUAS BLOG DE LITERATURA INFANTIL

domingo, 17 de julho de 2016

Fair Play



Fair play
Nívea Moraes Marques

Para os pés, as mãos, os quadris, as unhas, as canelas ou qualquer outro detalhe perfeito do corpo dos atletas que se revezarão nas quadras de poliesportes ou nas águas dos mares e lagoas e piscinas desse meu Rio de Janeiro, não é sorte que eu lhes desejo. É amor.
Amor dentro dessa cidade que não é só mágica, é um pedaço de território que está à parte no território mundial, quem nunca tenha ali colocado seus pés, atlanticamente falando, pode encontrar ali o seu grande amor. Como eu encontrei.

E dele se desfazer, como se desfaz de qualquer coisa que incomoda, como incomoda feito duas esmeraldas que já não valem nada mais do que valem a moeda ouro, a moeda prata a moeda bronze.

Mas vocês também podem se encontrar com a poesia dentro das rochas do pão, pão feito de açúcar e sal, mar de piscina e peixes minúsculos que não chegam a biliscar a realidade de seus músculos de heróis de aço.
Cheguem ao rio pelo aeroporto Antonio Carlos Jobim e cantem o Samba do Avião e já se tornarão  honorários moradores, o Rio espera vcs de braços abertos, ô cidade acolhedora, e seus cariocas debochados de corações escarlates.

Tenho muitas saudades dos amigos que lá deixei Orlandino, Cícero, Juliana, e tantos outros que se partiram e me partindo junto me fizeram mais carioca sem o seu belíssimo sotaque carioquêis.

(mais mas tenho o luxo de ter uma peça dos teus aqui comigo, para uma visita se quiser te aguardo com toda a hospitalidade, hospitalidade que pode receber anjos: Renata Fonseca guardada no meu pano de guardar confete Procuradora do Município de Barra Mansa...)
Então, de volta ao Rio temos a Princesinha Copacabana, o Leblon dos shops e dos ais, a Tijuca das feirinhas de artesanatos suas igrejas e pe´s  sujos, o centro da cidade com seus sebos e achados a Faculdade Nacional do Direito, O REAL GABINETE PORTUGUES, A ABL,  o Largo do São Francisco, a confeitaria Colombo da saraiva e (novamente na princesinha a do Forte de Copa) tenho amigos e parentes espalhados por botafogo, flamengo, glória, santa Tereza, bairro de Fátima dos quais não tenho o endereço mais se gritarem Nívea tio, Nívea irmã, Nívea melhores amigos eles certamente sairão de onde estiverem para ouvirem suas histórias e oferecerem um ombro de irmão.
O Rio de Janeiro ainda tem Niterói, um caso à parte no caso à parte: o brinco do brincoda princesinha.
Esporte e desporto são coisas caras demais para mim, mais poesia e esporte e desporto são coisas inenarráveis, ainda que eu os toque pela TV de soslaio, assim como meu amigo talvez não sei Armando o fará, será?, teremos boas manchetes e matérias e contos e notícias e aquelas coisas que emocionam e que o Pedro Bial costumava chamar: crônica esportiva, nos tempos em que ganhar dinheiro com esporte era o que menos importava aos jornalistas. (como eu).

Nenhum comentário: