ESTRELA DAS ÁGUAS BLOG DE LITERATURA INFANTIL

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

EM CADA BATISMO SAGRADO



Calcados nas mãos do senhor
Nívea Moraes Marques

É tão bonito o encontro de um homem e uma mulher que se unem sonhando viver o amor para ser família.
Sem adentrar na seara dos preconceitos e dos julgamentos, apenas é esse o modelo de família que eu quero viver.
Mais que um modelo é um projeto de vida, uma alegria em realizar uma vocação.
É tão difícil... Eu sei que ainda não posso viver essa graça, falta pouco, bem pouco para a sentença da nulidade de meu casamento ser confirmada em segunda instância. Eu creio que isso se dará e desde já agradeço.
Contudo ainda que não possa viver essa realidade, eu sonho com ela, eu desde muito cedo sonho com ela e talvez por isso tenha sido camicase no casamento que pra Deus não existiu como sacramento.
É claro que me alegro com uma segunda chance, embora me preocupe muito mais em viver realmente um amor companheiro, fiel, alegre, harmonioso, eterno.
A pessoa certa pra mim também sofre por não ter me encontrado ainda, assim como eu sofro as demoras de Deus.
Mais uma vez eu afirmo que acredito que ele existe e que está caminhando em minha direção e eu estou a sua espera.
Eu tenho braços de abraçar e um coração ansioso por abrigar todas as pessoas que ele me trouxer, inclusive nossos filhos, que eu também acredito que virão.
A minha espera não me impede de admirar os que já se encontraram e torcer pela sua felicidade, são como uma pedrinha no meu terço de poeta que incansavelmente canta o amor.
Às vezes a espera é tão difícil e acredito que de longe avisto um oásis, eis que meus pés tropeçam e pisam num braseiro, não choro muito a queimadura, choro porque meus pés, frágeis já, terão que se preparar para mais caminhar a fim de encontrar a cidade prometida, a nossa cidade.
Quero registrar todas as promessas ao meu querido, quero que ele saiba que sonho com os jardins de nossa casa, que em nossas tardes recitaremos versos e meninos, quero renovar os votos de ter uma casa sem telhado, um observatório constante das estrelas, quero dizer que meus olhos mouros estão esperando ser pintados para o dia dos nossos perpétuos votos, quero dizer ainda que todos os amores que tive, sonhados ou realizados foram me ensinando que só havia ele em cada palavra, em cada queda, em cada quimera, em cada derrota que passou e tudo é tão importante e tudo foi tão importante, porque só haverá ele em cada olhar de ternura, em cada batismo sagrado, em cada pintura íntima a atravessar todos os mares calcados nas mãos do Senhor.

Nenhum comentário: