ESTRELA DAS ÁGUAS BLOG DE LITERATURA INFANTIL

terça-feira, 25 de junho de 2013

AMOR FRATERNO



Exercício de alegria
Nívea Moraes Marques

Nesse silêncio de dias, nesse caminhar dedicado, nas horas contadas de voo e sono vou aprendendo seu fraterno amor. Como se cada bolinha do meu terço fossem nossos tímidos sorrisos, nossos gestos contidos, como se seu sorriso fosse para mim doces vitrificados, são belos, mas não é tempo de tocar língua, dentes, lábios enfim. A cada passo meu em solo sagrado exercito a minha crença na bondade de Deus (que também não se excede em pele, coração e repouso, me pede constância no deserto, acreditar sem nada ver, acreditar no sutil que se insinua e em sua incontestável presença na simplicidade do pão). Tudo meu eram extraordinários, hoje eu toco o dia a dia, o ordinário, o simples, o dócil ao Senhor, o que ouve e segue, o que não vê e acredita, o que não sente mas sabe com os olhos da fé.
O amor fraterno aquece meu coração com paz e esperança, nutre um fino fio que nos une e ao Senhor nos desígnios que são nossos. Tudo poderá ficar como tem sido e é uma graça já. Vamos com cuidado escrevendo nossos nomes nas palmas de nossas mãos e descobrindo, mesmo no silêncio o que será o amor fraterno entre nós. Fazer tudo certo, fazer o que é certo, para não macular o ordinário e o extraordinário desse sentido.
Ainda não tenho medo suficiente de perder o céu. Acredito e preciso acreditar que os seus inícios são aqui na terra (se não fosse assim eu já teria posto um fim mesmo em minha vida, porque não consigo viver o hoje apenas em função de alcançar o que é eterno, para o que é eterno haverá tempo, embora o tempo se prepare aqui, mas é aqui que eu vou na pobreza e na beleza do que há, criar meus espaços de céu e ser hoje mesmo bem feliz sim!).
A felicidade daqui é bem abraçada na cruz nossa de cada dia, eu sei, é exercício meu a alegria de um canto, de palavras de mãos dadas, da família que se ama, do trabalho que justifica o cansaço, das arvorezinhas que habitam o morrinho que avisto de minha janela e também a graça do “amor fraterno” que me une aos irmãos, que me une a você também.
Fraternidade é simples doação, é um pouso da pombinha do Espírito Santo, é uma alegria de criança que aprendeu a ler no coração do outro a brincadeira que não cansa.

terça-feira, 11 de junho de 2013

DIA DOS NAMORADOS



O dia dos namorados é uma data bonita e para uma incorrigível romântica como eu é no mínimo intrigante passar por ele mais uma vez apenas comigo mesma.
Há muitos anos eu não tenho um namorado, mas isso não significa que meu coração não esteja apaixonado, que meu coração não reconheça em mim e nos outros o amor.
Quando eu era adolescente tive um namorado que me deu um coração de chocolate (foi na Páscoa) mas eu considero esse o melhor presente do dia dos namorados que recebi!
Por muitos anos meu coração foi habitado por um níveo senhor, nesse longo período nos vimos apenas quatro vezes e num suave beijo de despedida libertei a mim e ao meu coração de um amor tão impossível quanto belo. Cada vez era preciso ter vivido o que vivemos, mas nunca no dia dos namorados.
Amanhã meu coração estará todo ocupado (tenho um eleito secreto), mas não é só isso, o que me faz tão alegre e pronta para renovar minhas esperanças é a verdade que o amor existe e que a minha busca por quem divida essa crença e a extravase na vida comigo terá um dia o seu termo, o seu terno, a sua casa.
Passo por um processo dificultoso,  o Senhor me pede coragem e confiança e eu sigo com alguma lágrima nos olhos e um pouco angustiada com os meus trinta e sete anos.
Amanhã é o dia dos namorados, eu acredito que as pessoas são diferentes, que essa é a beleza do ser humano, que meus erros serão perdoados e superados, que enfim terei um lar construído sobre a rocha, que meus filhos serão sãos e de Deus e que o dia dos namorados pra mim ainda será apenas uma data comercial, onde eu ficarei na eterna dúvida entre comprar uma gravata, um perfume ou um livro, que devidamente será entregue junto com um afetuoso beijo entre sorrisos.

Nívea...