ESTRELA DAS ÁGUAS BLOG DE LITERATURA INFANTIL

domingo, 12 de junho de 2011

PARA TODOS OS TORCEDORES



Mr. Buster não entende...
Nivea Moraes Marques

“Me diga sinceramente uma coisa, Mr. Buster:
O Sr. sabe lá o que é um choro de Pixinguinha?
O Sr. sabe lá o que é ter uma jabuticabeira no quintal?
O Sr. sabe lá o que é torcer pelo Botafogo?”
Vinícius de Moraes


Hoje quem tem o seu amor que cuide de adubá-lo, que cuide de fazer uma covinha em volta e aguar todos os dias por incessantes sete anos (de preferência pela manhã)...

Hoje quem tem um amor deve compreender em si o tão carinhoso de Pixinguinha e ter um coração todo sorridente que bate mais forte, porque simples assim, “quando te vê”!

Hoje quem tem um amor entende mais um brasileirinho que nasce e que se já não nasceu do seu amor, ele simples assim, poderá também nascer...

Hoje quem tem um amor deve pisar macio na grama, descalço na grama, e sentir sob os pés um chão todo verde, um chão que frutifica e fecunda a casa que se constrói, pouco a pouco, para abrigar esse tão frágil amor.

Hoje quem tem um amor deve comprar presentes sim, deve comer bombons, deve escolher flores, deve ouvir música, deve jantar fora, deve beijar quieto, deve amar a paz (mas não pode esquecer os dias de cão e de cadela e sorrir de rabo de olho com antídotos e mezinhas que só quem tem um amor sabe inventar nos dias vãos...)

Hoje também quem torce para o botafogo (mesmo sendo flamenguista como eu) não deve se acabrunhar, deve acender velas para Santo Antonio, deve iniciar novenas para São José, deve andar nas ruas observando os casais, sem medo de ser uma estrela solitária (hoje já não há mais tempo nem para arranjar um namorado de aluguel), deve observar os modos, deve guardar em si cada sorriso, porque se gripe alastra e dengue se combate no coletivo, o amor também há de ser assim.

Por isso coleciono cada história de amor perfeito ou perdido (até as minhas próprias) e vou catalogando as imagens, meu arquivo incrementa meu imaginário como fruta que amadurece sem amargura, porque eu creio, creio do mais fundo do meu core que há de vir a mim, que haveremos de ir e vir, então de maneira sincronizada.

Faz um frio danado em Barra Mansa, mas não escaparás da sedução da minha paciência!