ESTRELA DAS ÁGUAS BLOG DE LITERATURA INFANTIL

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

CACO DE SONHO

Cacos com que a gente ainda se corta
Nivea Moraes Marques

Para Patrick Castro


"Mesmo com tanta ilusão perdida
quebrada,
mesmo com tanto caco de sonho
até hoje
a gente se corta"
Alex Polari

Piso as pedras da rua com segurança. Não quero olhar para trás. Sem estátuas de sal, sem testemunhas, sigo o caminho que tem pra ser meu.
Dentro do meu coração os sinos soam e o meu Deus olha pra mim, um tanto quanto interrogativo... Onde foi que guardei seus ensinamentos.
Construir uma nova família é um desafio, construir é um desafio.
Dentro do meu coração existe um lugar pra meu Deus e para os meus. Não há conflitos de competência, nem de hierarquia.
Eu preciso ter tudo, porque conheci o lugar em que jaz o não ter nada.
Quero bênçãos e flor de laranjeira, a castidade da fidelidade e colchas de crochê.
Piso as pedras da rua e já então um novo sonho brota feito água boa de mina e já tem nome, e já tem olhos, e já tem história, e já faz festa no céu da minha boca.
Posso ouvir aquelas músicas e me lembrar de como éramos lindos enquanto adolescíamos...
Presa a revoluções por minuto ou sentindo o céu cinzento de uma tão próxima"London London", era capaz de nada e por isso mesmo queria ter o dobro da minha idade.
Chegamos ao dobro e sinto (na brisa virtual que chega), que não perdemos aquela inocência, que guardamos uma ternura e uma maneira amorosa de ver o mundo.
Posso estar irremediavelmente certa, assim como irremediavelmente a nossa breve conversa me trouxe à pele tantos cacos de vidro.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

RECOMEÇO

"(...)se multipliquei a minha dor,
Também multipliquei a minha esperança."

Paulo Mendes Campos

De volta ao começo
Nivea Moraes Marques

Minha língua tocou num susto a tua
e de repente eu inteira já não conhecia outro caminho
que não o teu

E sonhei os campos de trigo
em que nossos pés descalços pisariam
(cúmplices de todas as caminhadas)

Foi um sonho sem alento
e de noite e meia
tudo ficou pela metade
menos a tua lembrança
o cheiro do teu corpo
a voz das tuas palavras...

Agora que entendo
o que foi a sua covardia
aceito completamente o que foram
aqueles dias e todos os imensos anos
que os sucederam

Agora peço-te calma
peço que aproveite bem
a vida que escolheste
porque seria tão mais doloroso pra mim,
saber que aquele sonho todo
se perdeu por muito pouco
e que esse pouco ainda foi muito mais
que aquele susto, que aquele beijo...