ESTRELA DAS ÁGUAS BLOG DE LITERATURA INFANTIL

terça-feira, 3 de junho de 2008

A VELA DO MEU CORAÇÃO

A vela do meu coração

Nivea Moraes Marques




Minhas mãos conjugam meu silêncio.

Minha pele se submete aos desejos do tempo.

Durmo sonos que são verdadeiras jornadas, no escuro e de olhos fechados.

Houve dias para sorrir sem motivos. Hoje não há mais.

Lembro-me de coisas totalmente vãs, que gostariam de entender o que pode o amor, mas nunca poderiam...

Agora e adiante são calmos e claros todos os meus dias.

Minhas mãos conjugam meu silêncio.

Meu coração não está preparado para receber em casa o amor.

Meu coração está vivo num deserto de gelo, em meio a plantações esculpidas em icebergs.

Nunca mais vou te conquistar, nunca mais vou te convidar, nunca mais vou te enviar mensagens, nunca mais vou construir-te novos poemas, nunca mais vou sair primeiro, nunca mais.

Aprendi a querer ser a escolhida, ser uma fruta que pende no topo da copa das árvores.

Corro tantos riscos: amadurecer de podre e me estilhaçar num chão bem maior que o céu.

Ou também, de tão madura e por colher, posso servir para alimentar os pássaros, não pertencer a qualquer camponês, mas ser providência de Deus na vida de criaturas que nunca plantarão ou colherão seu próprio alimento e que são o Deus dará.

Há muita poesia na vida que levo. Ainda que muito diminuída estejam as minhas expectativas de que encontre o amor enfim o meu termo.

Sei e nunca me esqueci de que o amor sabe achar maravilhas. E penso e quase posso ouvir a voz suave do meu bem-amado, posso ver como mirando num caleidoscópio os seus encantos, posso tocar nas suas delicadas mãos (caladas como as minhas).

Espero por longas caminhas lado a lado, espero por tímidos abraços no meio da rua, espero secar suas lágrimas com os meus cabelos, espero trocar qualquer sonho por simultâneos sonos e um único e austero beijo de boa noite.

Contudo as estações que se revezam na minha vida brotam muito lentamente a fruta que serei.
Não guardo ainda em vigília os nossos dias santos.

Há muito o que ser feito, trabalho de restaurador, trabalho de construtor, trabalho de delicadeza, trabalho duro, trabalho tirano, trabalho diuturno.

Sei que é verdadeira a promessa de primícias, sei que é desafio para nós que queremos céu, mas há que se cumprir a eternidade de um amor pra mim.

Se para passarinhos ou se para um único e derradeiro homem, meu amor não morrerá em pecado.

Nenhum comentário: